Categorias
Novo Testamento

Mateus 26

Tendo terminado esse blablablá todo, ainda disse à galera: “Tão ligados que daqui dois dias é a Páscoa né? Pois eu vou ser morto nesses dias”.
E já se reuniam os principais pastores da época pra planejarem como prenderiam e matariam Jesus. Tavam ligados que durante a festa não ia rolar, porque o povo poderia perceber a mutreta.

Enquanto Jesus tava na casa de um sujeito muito doente chamado Simão, uma mulher doida lá chegou por trás e derramou um creme de pentear no cabelo dele. O bagulho era cheiroso e caro com força. Seus seguidores, de bocudos que eram, já criticaram a mulher dizendo que rolava mais ter vendido aquele troço e dado o dinheiro pros pobres (cuidado com quem tem esse discurso pra tudo!). Só que Jesus, percebendo a cara feia dos caras, já acabou com a festa: “O que vocês tão reclamando, cambada? Deixa ela! Vocês vão ter pobre pra poder ajudar a vida inteira! Mas eu tô aqui só mais um tempo… o que ela tá fazendo é um grande favor. Tá me preparando pra bater as botas”.

Um dos doze seguidores, chamado Judas Iscariotes, foi procurar os líderes religiosos pra descobrir quanto que poderia ganhar de propina pra entregar Jesus. Os safados ofereceram o suficiente pra Judas comprar um carro popular com ar condicionado, direção hidráulica e kit multimídia original de fábrica. Usado.

Os outros seguidores de Jesus, estando ligados que estava perto os dias de comemoração que rolam antes da Páscoa, perguntaram onde que eles iam organizar o rango. Jesus mandou os cara irem até a cidade e procurarem um certo sujeito. E quando o encontrassem era pra dizer a ele que o mestre tinha pedido um lugar emprestado pra fazer as celebrações, porque tava chegando no fim de sua carreira. E, assim como Jesus havia dito, aconteceu. Acharam o lugar e prepararam todo o rango e bebidas!
No final da tarde tavam todos rangando na mesa, quando Jesus solta a notícia bombástica: “Galera. Um de vocês é um X9!”. Aí todo mundo começou a ficar perturbado e perguntavam: “Putz Jesus! Sou eu? Num é possível que eu sou um traidor tão bom que nem eu mesmo tô sabendo!”. Aí Jesus disse que o cagueta era quem punha a mão no prato junto com ele. E dizia: “Eu vou vazar dessa pra uma melhor, mas coitado do safado que vai me trair. Melhor teria sido pra ele nem ter nascido!”. E aí Judas já sentiu a pressão e perguntou se era ele. E Jesus respondeu: “Você que tá dizendo, dom”.

No meio do rango Jesus pegou um pão e partiu em pedaços com as mãos, dando um pouco pra cada um deles. Dizia que aquele pão representava o seu corpo e que era para comerem. Depois encheu uma caneca de vinho bem servida e deu um gole pra cada um, dizendo que aquilo representava o seu sangue que seria derramado. E que era pra eles beberem. E dizia: “Tô fazendo doação de sangue pra resolver os problemas de muitos. Vocês não vão beber desse vinho novamente até o dia que estivermos todos juntos no reino do meu pai”.

Aí cantaram uma música (não, não havia ministério de Louvor e Adoração nessa época) e foram pro monte das Oliveiras, provavelmente filar mais umas azeitonas. E Jesus já avisou que os seus seguidores iam tudo ficar desesperados naquela mesma noite ainda, porque a situação ia ficar feia. Mas Pedro, o bonzão, disse que Jesus nem precisava se preocupar, porque ele tava junto pro que der e vier. Jesus já jogou a real, dizendo: “Ô Pedro, baixa a bola! Você vai ser o primeiro a bundar feio nessa noite, antes do despertador tocar três vezes na função soneca (na verdade era o galo, mas quem usa galo pra acordar hoje em dia, heim?)”. E Pedro dizia que não, que não ia abandonar Jesus nem a pau.

Jesus foi pra um lugar chamado Getsêmani e colocou a galera descansando enquanto foi orar num canto. Levou só Pedro e os filhos de Zebedeu. Lá começou a ficar realmente triste, sentindo a pressão de estar bem perto do fim que sabia que haveria de ter. E disse: “Galera… o estresse tá brabo! Fiquem comigo aqui, pelamordeDeus”. E pondo a cara no chão, orava: “Paizão… se for possível, me tira dessa enrascada. Mas que a sua vontade aconteça! O Senhor é que manda!”. E quando virou de costas, pegou os três que foram junto dormindo e deu um peteleco nos caras, dizendo: “Ô cambada, vocês num aguentam nem uma hora acordados? Se fosse UFC, vocês ficariam a noite toda pra ver o card principal né? Tomem um Redbull! Fiquem espertos e orem porque o espírito de vocês tá pronto, mas não podem fraquejar por causa de suas limitações carnais!”.
E orando de novo, repetia: “Pai… já saquei que não tem outro jeito. Vou ter que encarar essa fria. Que seja como o Senhor deseja, porque é pra isso que eu tô aqui!”. E novamente pegou os caras dormindo. Deu-lhes outra bronca e orou uma terceira vez, confirmando as mesmas coisas que havia dito antes.

Aí liberou os caras pra dormirem, avisando que era bom descansarem porque tava na hora de começar a parte ruim da história. Depois de um tempo acordou todo mundo e chamou a galera toda porque o circo tava armado. Então chegou Judas na maior cara de pau do mundo e deu um beijo no rosto de Jesus, dizendo: “Opaaa… e ae mestre, beleza?”. Jesus então retrucou: “Amigo… tá falando sério que é assim que você veio fazer o serviço?”. Nisso já chegaram os guardas e prenderam Jesus. Um dos seguidores de Jesus já catou a espada e foi pro ataque, cortando a orelha de um soldado. Aí Jesus deu uma bronca no cara, e disse: “Guarda essa espada aí, ô mané! Quem com ferro fere, com ferro será ferrado! Tá achando que eu tô indefeso? Se eu quisesse, oraria agora e o pai mandaria trocentos anjos fortemente armados com fuzis AR-15 e outras armas de grande calibre. Não iria sobrar nem nada e nem ninguém. Eu vim pra cumprir o que os escritos antigos já diziam! Relaxa que tá tudo certo!”. E virando pra multidão que tava lá pra o prender, disse: “Vocês vieram armados pra me prender? Por acaso eu sou um terrorista assaltante de banco? Todos os dias eu tava sentado no templo ensinando. Podiam ter me prendido lá”.

Essas coisas todas aconteceram pra confirmar o que os profetas tinham dito que ia acontecer mesmo. E os seguidores de Jesus bundaram e saíram correndo pra evitar serem presos também.

Levaram então Jesus na sede religiosa, diante do líder daquela palhaçada toda. Seu nome era Caifás. Pedro foi junto disfarçado, pra não ser preso. Entrou e sentou no meio dos guardas, discretamente.

Os religiosos todos começaram a procurar quem topasse inventar um monte de mentiras a respeito de Jesus, mas ninguém tava com coragem de fazer isso. Por fim apareceram duas pessoas que queriam testemunhar. Disseram que ele havia dito que poderia destruir o templo e reconstruí-lo em três dias (o que é verdade, mas não perceberam que Jesus não tava falando do templo mesmo, mas do seu próprio corpo).

O líder dos religiosos então perguntou porque Jesus não se defendia das acusações. Mas ele nem deu moral. Entrou mudo e saiu calado dessa parada toda. Aí Caifás apelou e disse que exigia em nome de Deus que ele confirmasse se é mesmo o filho de Deus. Então Jesus finalmente respondeu: “É bem isso aí mesmo que você tá dizendo. E já vou avisando que em breve vão me ver sentado à direita de Deus, sobre as nuvens”. O líder dos religiosos então deu um pití bravo, enquanto o acusava de ter blasfemado. E concluiu que não precisavam nem de testemunhas mais, pois eles mesmos tinham ouvido Jesus falar aquelas coisas sinistras. Os outros religiosos safados e paga paus do líder confirmaram tudo. E disseram que Jesus deveria ser morto por causa do que havia dito. Aí começou a baixaria; e começaram a cuspir nele e o espancaram bastante. Enquanto batiam, zombavam na maior cara de pau, dizendo: “Profetiza aí ô Cristo! Quem foi que te bateu?”

Pedro continuava sentado do lado de fora, mocado no meio dos peões. Até que chegou uma empregada do lugar e disse: “Ei… você tava andando com Jesus também, né?”. E Pedro mentiu dizendo que não sabia nem do que ela tava falando. Alguns minutos depois, outra empregada doméstica o viu e disse a mesma coisa. E ele repetiu a história de que nem conhecia Jesus. Por fim a galera toda começou a desconfiar e disseram: “Ahhh maluco! Teu jeito de falar dá a entender que você é um deles sim!”. E pra escapar de ser pego, Pedro começou a xingar e a jurar: “Puta que o pariu, viu! Quantas vezes vou ter que falar que eu juro que não conheço esse homem?”. E naquela hora o celular tocou o despertador (tá, eu sei que não foi o celular, foi o galo). E Pedro lembrou do que Jesus havia dito sobre ele o negar. Por fim acabou saindo dali completamente arrasado com a cagada que havia feito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Faz a conta aí pra evitar Spam 58 − 48 =