Lucas 13

10/03/2013

Algumas pessoas ficavam perturbando Jesus com um papo furado sobre uns homens que foram sacrificados por Pilatos em seus rituais religiosos. E Jesus disse: “Vocês se acham melhores do que esses coitados que se ferraram nesse lance aí? Se não se arrependerem, o final de vocês vai ser o mesmo.”

Aí perguntaram de outros dezoito caras, que tavam passando de bobeira quando uma torre caiu em cima deles, matando todo mundo. E Jesus disse: “É a mesma coisa! Se não se arrependerem, vão se ferrar no mesmo lugar que eles.”

E contou uma história: “Um cara tinha uma plantação de uva, mas todo ano ele procurava frutas e a disgramada da planta nunca tinha nenhuma. Então seguiu o conselho de quem cuidava das plantas, e deu mais um tempo pra ela. Adubou direitinho o negócio e esperou. Mas se quando ele voltar não tiver fruta, vai arrancar e queimar, por que tá ocupando a terra e não produz nada de útil.”

Jesus ensinava num dos templos religiosos de sua época. Num sábado, viu uma mulher que já fazia dezoito anos que tava entrevada, com as costas zoada pra caramba. Aí ele colocou as mãos na mulher e disse: “Alonga aí minha filha. Tô te libertando dessa doença”. E a mulher pulava de alegria, dizendo coisas boas a respeito de Deus, por causa da cura que recebeu.

Os religiosos já começaram a fazer barraco, por que acharam absurdo Jesus curar alguém num sábado. E dizia pras pessoas virem em dia útil apenas. Os caras literalmente queriam burocratizar o favor de Deus! Parecia o Detran! E Jesus respondeu:

“Se você tiver um animal em casa, não vai dar comida pra ele no sábado? É claro que era conveniente eu soltar dessa prisão essa mulher aí, que é filha de Abraão tanto quanto vocês, e que há dezoito anos tava entrevada por causa das coisas que o diabo tava fazendo na vida dela.”

E o povo se alegrava, enquanto os religiosos ficavam envergonhados com a surra moral que levaram. E Jesus contava mais histórias:

“Saca só as comparações que dá pra fazer com o Reino de Deus. O Reino é igual um grão de mostarda. É do tamanho de um grão de areia. Olhando você acha que não vale nada, mas enterra pra ver o que acontece. Vira uma árvore monstra, que fica cheia de lugares pros passarinhos fazerem ninho.”

“O Reino de Deus também é igual uma mulher que colocou um pouquinho de fermento na massa do bolo, mas todo o bolo se contaminou com esse pouquinho e cresceu.”

E ele ia por todas as cidades ensinando, sempre caminhando na direção da Capital.

Certa vez um sujeito perguntou se eram poucos os que se salvariam. E ele respondeu: “Se esforcem pra passar na porta estreita. Vai ter muita gente tentando entrar e não vai conseguir. Quando a porta for fechada, vai ter neguinho gritando e batendo pra tentar entrar, mas não vamos abri-la nem a pau. E nem adianta vir com aquele migué de que teve uma vida dedicada a fazer certas coisas pra mim, por que eu vou dizer claramente que não os conheço e que não quero gente folgada e que vive longe do que é justo perto de mim.”

“Vai vir gente de tudo quanto é canto do mundo e vai se sentar na mesa do Reino de Deus. E vai ter gente que vai chegar por último, e vai acabar sentando primeiro. Também vai ter uns caras que tão achando que irão chegar primeiro, mas mesmo tendo chegado primeiro, vão ser os últimos a sentar.”

Então os religiosos falaram pra Jesus fugir dali por que Herodes queria matá-lo. E ele respondeu: “Falem praquela raposa que eu expulso os capetas, curo pessoas hoje e amanhã ainda. E que no terceiro dia termino o que vim fazer.”

“E borá lá galera caminhar esses três dias, pra não acontecer dessa vez de morrer um profeta fora de Jerusalém.”

“Jerusalém sua ingrata, que mata os profetas e aqueles que são enviados da parte de Deus. Como eu já tentei cuidar de você como uma mãe cuida de seus filhos e você não quis. Já vou avisando que por causa disso vai ficar abandonada e destruída. E não vai mais me ver até o dia que possam dizer: Opa, ó o homem de Deus aí!”

Ariovaldo Jr - contato@bibliafreestyle.com.br

COMPARTILHE: