João 18

07/08/2013

Depois de orar, Jesus saiu com os discípulos e foi para uma plantação de azeitonas. Judas (o X-9) conhecia bem o lugar, porque ele já ha ido com os outros companheiros na época que todo munda pensava que ele era gente boa. O X9, acompanhado de um bando de milico do templo e alguns soldados romanos, foi até a plantação de azeitonas para prender Jesus.

Mas sabe como é, Jesus é que foi ao encontro de Judas. É sempre assim, quando alguém pensa que está indo com o milho, Jesus está voltando com a Pamonha...

Daí o mestre pergunta:
- Estão na captura de quem?
– De Jesus o nazareno – responderam
- Esse cara sou Eu. Respondeu o Mestre. E os caras deram um passo para traz e tremendo por dentro caíram com o rosto em terra. E de novo ele perguntou a quem estavam procurando. E eles repetiram a resposta: “Jesus de Nazaré”.
- Então tá, sou Eu! Podem me levar, mas não levem meus amigos... (isso aconteceu para que cumprisse as palavras que ele havia dito que ninguém dos que Deus havia lhe dado se perderia”).

Foi nesta hora que Pedro deu uma Facãozada e arrancou a orelha de Malco, um soldado que estava lá para prender Jesus.

O mestre então ordenou que Pedro guardasse o facão, pois ele entendia que aquele momento foi planejado pelo Pai. “Acaso não beberei o cálice que meu Pai me deu?” – disse Jesus a Pedro.

Jesus estando amarrado igual a um bandido, foi levado primeiramente a presença de Anás, o sogro de Caifás.

De longe Pedro e um discípulo seguiam a escolta policial que tinha prendido Jesus. Este discípulo era conhecido da galera e arranjou uma entrada meio na moita para Pedro. Na hora em que deram a carteirada para que Pedro entrasse, a tia da portaria olhou para Pedro e com aquela cara de quem já o tinha visto e perguntou: “Ei, você é da gangue deste tal Jesus né não?”

Aí Pedro mijou para trás e disse que não. Tava fazendo um frio danado e uma galera que tava de plantão naquela noite fez uma fogueira para esquentar. Um carinha olhou para Pedro e o reconheceu. Olhando para Pedro disse: “Ei, ei, você é o cara que tava com Jesus... é sim.. você era um dos que andavam com ele!” – “Não véi, não sou não. Pô, já disse...”

Neste mesmo instante Jesus estava sendo interrogado pelo sumo sacerdote sobre seus ensinamentos. Jesus rebatia dizendo que não ia falar de novo porque o que ensinou era de conhecimento público. Se ele tinha alguma dúvida que perguntasse para o povão que ouviu. Mal acabou de dizer isso um guardinha tacou-lhe uma tapa na cara. E mandou que Jesus respeitasse a autoridade ali presente.

Aí Jesus com o rosto ainda quente do tapa, perguntou: “Peraí chegado, se eu tivesse dito algo de mal, faz o relatório do que fiz de errado, mas se falei a verdade, por que o tapa?? – Daí então Anás enviou Jesus para Caifás.

Nesta hora Pedro estava aquecendo do frio quando um carinha disse que ele era um seguidor de Jesus. Aí Pedro Negou. Mas, um outro que era parente de Malco, o sem orelha, insistiu em dizer que tinha visto ele na plantação de azeitonas. E Pedro Negou. Quando inteirou a terceira vez o galo cantou.

Caifás levou Jesus perante Pilatos. Como o zelo pela religião era tamanho (uma contradição vista até hoje, nego cuspindo no Cristo, para proteger a religião que ele tanto ama. Vai entender!), eles ficaram de fora do escritório do governador para não se contaminarem (enviar o Filho de Deus para a cruz pode, o que não pode é macular-se indo na casa de um gentil...ah, a religião... ah, a religião).

Na porta do escritório do governador eles entregaram Jesus. Pilatos tentou devolver a bola para quem de direito, mas eles recuaram... Não queriam sujar as mãos (WHATTT?).

Colocaram Jesus no escritório do governador para ser interrogado.
Pilatos perguntou: “Você é o rei dos judeus?”
Jesus respondeu: “Essa pergunta é sua ou alguém te pediu para perguntar?”

“Não sou judeu para ter interesse na vida de vocês... que foi que você fez para estar nesta condição?” Falou Pilatos.

“Meu reino não é daqui. Se fosse daqui, já teríamos terminado esta conversa e de um jeito que você não ia gostar de saber” – “Ah!! Então você é rei!!!” – exclamou Pilatos.
- "Cê que tá falando" – respondeu Jesus.

Pilatos foi até a porta do seu escritório e falou para os judeus que estavam por ali que não tinha achado nada para acusá-lo. Se eles quisessem poderiam libertá-lo, afinal tinha que fazer isso por alguém mesmo...

Eles responderam, ele não, solte Barrabás!

Guilherme Burjack - burjack@gmail.com

COMPARTILHE: